O Poder das DEPs na Pecuária Moderna: Uma Jornada Científica e o Desafio da Preservação Racial

O Impacto Negativo do Uso de Touros sem Procedência Genética no Rebanho: Um Legado de Prejuízo Econômico e Genético
1 de outubro de 2023
Métodos de Reprodução é Garantia de Melhoramento Genético?
1 de novembro de 2023

Atualmente, na pecuária moderna, as Diferenças Esperadas na Progênie, ou DEPs, se tornaram uma verdadeira moda. Produtores, selecionadores, leiloeiros e todos os envolvidos na criação de animais exploram intensivamente essas informações valiosas. No entanto, é importante destacar que as DEPs não são apenas uma tendência passageira ou um conjunto de elementos para fins de marketing. Elas têm uma base científica sólida e representam um avanço significativo na seleção genética. Mas como e por onde as DEPs tiveram início?

As DEPs são, na verdade, um desenvolvimento científico que tem raízes profundas na genética e na genética quantitativa. Elas não são uma mera moda, mas sim uma ferramenta de tomada de decisão fundamentada em décadas de pesquisa e desenvolvimento. O processo que levou à criação das DEPs teve início no início do século XX, quando os primeiros esforços de seleção genética baseavam-se principalmente na observação de características físicas e registros de produção dos animais.

À medida que os conhecimentos em genética e estatística avançaram, cientistas notáveis, como R.A. Fisher, Sewall Wright e Jay Lush, desempenharam papéis cruciais no desenvolvimento de métodos avançados para avaliar o valor genético dos animais. Eles formularam modelos estatísticos complexos para estimar como os genes influenciam as características dos animais e como essas características são transmitidas para a progênie.

Assim, as DEPs surgiram como uma ferramenta científica que usa informações genéticas, como pedigree, parentesco e desempenho dos animais, para estimar o valor genético em relação a características específicas, como ganho de peso, produção de leite ou qualidade da carne. Portanto, enquanto as DEPs estão na vanguarda da pecuária moderna, elas têm sua base em sólidos princípios científicos e representam um avanço que beneficia a produção de alimentos, a eficiência e a saúde dos rebanhos.

Amigo Produtor, mesmo que alguns céticos possam questionar a validade das Diferenças Esperadas na Progênie, podemos afirmar com confiança que elas representam um marco inegável na evolução da pecuária. Estas ferramentas não são uma mera tendência, mas sim o resultado de um trabalho científico comprovado e fundamentado em décadas de pesquisa.

As DEPs têm revolucionado a seleção genética, permitindo aos produtores e criadores tomar decisões informadas para melhorar a produção, saúde e eficiência de seus rebanhos. No entanto, é importante reconhecer que a verdadeira eficácia das DEPs está em sua integração com a preservação das características raciais dos animais. Este é um desafio crucial para os produtores de genética melhoradora, pois é essencial manter o equilíbrio entre a busca por características desejáveis e a preservação das raças.

Portanto, as DEPs não devem ser ignoradas, mas usadas com sabedoria e sensatez. Elas representam uma valiosa ferramenta na pecuária moderna, mas a verdadeira excelência será alcançada quando aliarmos o potencial genético à preservação das características raciais. Este é o grande desafio que se coloca diante dos produtores de genética melhoradora, pois a busca pela eficiência e a conservação das raças são dois objetivos que devem andar de mãos dadas na pecuária do século XXI.

Por: Alexandre Bispo

Economista/Pecuarista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + nove =

ATENDIMENTO VIA WHATSAPP
Enviar Whatsapp